Como criar um personagem

Muito bem, vamos falar um pouco sobre personagens.

Algumas pessoas dizem que eles são parte de um história. 

Eu penso que os personagens e a história são a mesma coisa. Você não cria um conto apenas narrando o cenário ou explicando o ambiente.

A grande missão de qualquer história é despertar emoções nos leitores. E, se o escritor não conseguir tocar o coração de quem lê seu texto, na verdade não conseguiu cumprir o seu propósito.

É seu dever, enquanto escritor, mexer com o sentimento de seus leitores. Você tem que fazê-los rir e chorar.

Ninguém abre um livro de romance para aprender física ou matemática. 

Não é o racional que conta, mas sim os sentimentos.

É aí que entra a importância de um bom personagem. Ele precisa convencer o leitor de que existe, de que é real, para só então receber o carisma da estrela do livro, que é a pessoa que o lê.

Lembre-se, seus personagens só terão vida enquanto alguém estiver lendo.

Agora, como se cria um bom personagem?

Bem a primeira coisa é definir qual a função dele na história.

Escreva algumas linhas descrevendo sua participação e e interação com outros personagens.

Lembre-se de que o personagem pode ser descrito de dois pontos de vista:

  1. Seu mundo psicológico. Suas crenças, seus medos, seus valores e pensamentos,
  2. Como é visto pelo mundo que o rodeia. Suas características físicas e como os outros personagens o vêem.

Particularmente, eu gosto de criar um cartão para cada personagem. Neste cartão eu coloco as seguintes informações:

  • Uma foto – Normalmente procuro na internet alguém com as características físicas que quero para o personagem. Esta imagem serve apenas para reverência e nunca aparece no livro.
  • Seu papel no livro – Em uma palavra ou duas dizer se é protagonista, antagonista, personagem secundário, etc.
  • Descrição física – Colocar a idade, descrição do corpo, cor dos olhos e do cabelo, se é saudável ou doente, etc.
  • Personalidade – Aqui coloco como ele se relaciona com seu universo.
  • Hábitos – Cacoetes, vícios de linguagem, jeito de se portar, forma de andar, etc.
  • Biografia – Curta história de sua vida até o ponto onde o livro inicia. (Pode não parecer, mas esse item é muito importante)
  • Conflitos internos – Remorsos, raivas, amores, invejas, etc;
  • Conflitos externos – Inimigos, obstáculos, dificuldades, alianças, etc.

Esses cartões devem ficar sempre à mão para momentos de dúvida durante a composição dos textos.

Você não precisa usar uma lista exatamente como essa, pode criar uma que seja mais do seu jeito. Mas é muito importante fazer um bom estudo de cada personagem.

Observe que conforme os cartões dos personagens vão ficando prontos, o livro em si também toma corpo.

Qual o primeiro passo para se escrever um livro?

Muito bem essa é uma boa pergunta.

O primeiríssimo passo para o nascimento de um bom livro surge do nada na cabeça do escritor. Trata-se de um insight, um lampejo que brilha em sua mente dando a ideia base para toda a história.

Normalmente pode ser sintetizada em uma frase ou às vezes até em uma única palavra.

Essa ideia vai se transformando aos poucos num desejo. Num anseio por ver aquele pensamento convertido em um livro.

Até esse momento, a história não consumiu nenhum tempo ou trabalho de escritor. Existe apenas como uma possibilidade.

Entretanto, num dado momento, o escritor decide que irá converter aquela ideia em frases, parágrafos e capítulos.

Surge então, a primeira tarefa para o escritor: Encontrar um lugar em sua agenda para modelar a ideia.

Tem inicio um trabalho de visualização das principais cenas do livro.

Em geral, quatro cenas são imaginadas neste inicio:

  1. Cena inicial,
  2. Primeiro ponto de virada,
  3. Segundo ponto de virada e
  4. Cena final.

É interessante notar, que o autor, mesmo antes de escrever a primeira linha já deve ter uma boa ideia de como será o final do livro.

A cena inicial posiciona o leitor no universo dos personagens.

O primeiro ponto de virada tira a tranquilidade do protagonista. Força ele a se movimentar. Apresenta seu objetivo principal, o motivo pelo qual ele deve seguir em frente.

O segundo ponto de virada muda a trajetória da história e faz as coisas caminharem rumo à desfecho.

A cena final conclui o livro, é onde o leitor fica sabendo se o protagonista atinge ou não o seu objetivo.

Essas quatro cenas dividem a história em três partes, ou seja, três atos.

O primeiro ato acontece entre a cena inicial e o primeiro ponto de virada. É onde o escritor apresenta o protagonista e o antagonista e descreve o ambiente onde a trama irá se desenrolar.

O segundo ato, entre os dois pontos de virada, é a parte onde o protagonista enfrenta todos os tipos de dificuldades na ânsia por alcançar o seu objetivo principal. É onde sofre derrotas fragorosas, onde é testado até o limite de sua resistência. Em resumo, este é o ato do conflito.

O terceiro ato se caracteriza pela marcha para a resolução. Onde as esperanças aumentam ou desaparecem. Onde o objetivo se torna viável ou impossível. É onde acontece a grande luta final.